Séries para inspirar empreendedores

Não é só de trabalho que vive um empreendedor de sucesso, além de trabalhar bastante o empresário precisa tirar momentos de lazer que compensem todo o trabalho realizado. Não adianta querer parecer de ferro porque uma hora os prejuízos na saúde e no estado mental começam a prejudicar o bom desempenho do profissional. Para ter um entretenimento que ainda esteja ligado ao mundo dos negócios nada melhor que acompanhar séries que abordam o tema e transmitem certas experiências. A seguir vão algumas atrações da TV que mostram bastante da rotina do mundo dos negócios:

O Sócio

Marcus Lemonis é o protagonista do programa de TV que ajuda empreendedores a profissionalizar a forma como administram um negócio. Com a sua experiência de sucesso, o empreendedor investe na empresa que está passando por momentos difíceis e trabalha para identificar onde estão os erros cometidos, a cada episódio o telespectador pode ficar curioso para ver os resultados da várias mudanças orientadas por Marcus Lemonis.

The Office

Com um tom humorístico a série procura trazer situações hilárias que podem acontecer dentro de um escritório. Ainda que os momentos fora do comum possam parecer apenas ficção, algumas ações ocorrem mais do se pode esperar, alertando o público do que não fazer em um ambiente corporativo. Outro ponte forte da história é como um profissional pode trazer uma equipe para perto através de um bom gerenciamento de pessoal

House of Cards

Essa série tem o seu destaque como vencedora de vários prêmios. A trama se passa na política, onde é necessário saber usar as estratégias que se pode ter através de um jogo de influências para a busca de poder. O poder de influência é outro fator que pode determinar o sucesso de um objetivo quando se trata de alcançar uma negociação. Quem assiste essa série poderá identificar alguns perfis que podem ser encontrados na vida real de quem está no mundo dos negócios.

Mad Men

Essa série está habituada nos anos 70 e traz os bastidores de uma agência de publicidade. O personagem de Dan Draper tem a sua vida abordada juntamente com as modificações que acontecem na vida da população americana nos anos de 1960. A forma como são elaboradas as estratégias de marcas para alcançar o cliente é um pontos fortes da série, que também mostra como a relação entre as pessoas podem ter uma importância fundamental no mundo dos negócios.

Silicon Valley

A rotina de uma empresa que está começando a se estabelecer no Vale do Silício na Califórnia é contada. Seis programadores têm a sua trajetória contada em um mundo de empreendedorismo e de startups que se encontram em uma região de grande destaque. Nessa série o caminho para conseguir investimento é mostrado ao público, além disso as estratégias de gerenciamento fazem parte dessa história.

Shark Tank

Tentar vender uma ideia no mundo dos negócios nem sempre é fácil, é essa busca pelo sucesso que a série mostra. O tempo e agilidade para vender uma ideia demonstra como o tempo pode ser decisivo.

 

 

 

Zero Hora de Eduardo Sirotsky Melzer vence dois prêmios de Design

Dois especiais do jornal ZH se saíram como vencedores da importante premiação Society for News Design. Foram eles o especial “Mangá Colorado”, criado por Diogo Perin e Gilmar Fraga, e o especial “Descubra o seu candidato”, desenvolvido por Guilherme Maron e Leonardo Azevedo. A SND é uma entidade global cujo intuito é melhorar os métodos de comunicação através do foco visual.

O especial com viés político “Descubra o seu candidato” consistia em um questionário com perguntas e respostas através do qual os usuários deveriam responder determinadas questões com as ideias que mais acreditavam em relação a vários temas acerca da sociedade. Com base nessas respostas, o questionário ao chegar ao final, informava aos internautas que candidato a prefeito da capital gaúcha tinha mais opiniões em comum com eles.

Por outro lado, o especial “Mangá Colorado”, do Zero Hora de Eduardo Sirotsky Melzer, é relacionado a paixão pelo futebol, e mais especificamente, pelo Internacional. Ele foi feito todo através de histórias em quadrinhos para celebrar os 10 anos desde o título Mundial vencido pelo Sport Club Internacional no ano de 2006.

Atualmente em sua sexta edição, a premiação selecionou para o evento desse ano uma dúzia de profissionais da área de design para fazerem a seleção dos vencedores entre os milhares de projetos que foram enviados de várias partes do mundo. Os troféus para os vencedores serão entregues em um evento nos Estados Unidos, na cidade de Charlotte, no final de abril.

O Zero Hora, de Eduardo Sirotsky Melzer, já havia se saído como vencedor dos prêmios SND anteriormente. Em 2016, por exemplo, o jornal levou o prêmio com o jogo “Seja um Libertador da América”, criado por Guilherme Maron e Leonardo Oliveira para comemorar o aniversário dos 20 anos desde o bicampeonato da Libertadores vencido pelo Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. Outra ocasião que o jornal se saiu vencedor foi em 2015, premiado com um especial sobre a Copa do Mundo do Brasil de 2014, o qual foi todo elaborado através de infográficos e ilustrações.

O executivo Eduardo Sirotsky Melzer é formado em Administração de Empresas pela PUC do Rio Grande do Sul (PUC-RS), e exerce nos dias de hoje o cargo de presidente do Grupo RBS, empresa de negócios familiares fundada pelo seu avô durante os anos 50. No momento, o grupo é formado por 12 emissoras de TV aberta, 15 estações de rádio e ainda 3 jornais impressos, incluindo o famoso jornal Zero Hora.

Antes de se tornar presidente da empresa, Eduardo Sirotsky Melzer trabalhou por alguns anos nos Estados Unidos e fez um curso de especialização na Universidade de Harvard com foco em Negócios. Alguns anos depois, ao voltar para o Brasil, ele passou por vários cargos de direção no Grupo RBS até alcançar o posto de vice-presidente e, posteriormente, presidente.

Depois de assumir a liderança da empresa, o empresário Eduardo Sirotsky Melzer passou a investir de forma contínua no desenvolvimento das plataformas digitais do grupo, que são vistas pelo executivo como meios de comunicação essenciais para o futuro.

Jornalista do ZH de Eduardo Sirotsky Melzer é finalista em famoso prêmio internacional

O jornalista Cadu Caldas, responsável por ter escrito a reportagem “Mais velho e com pouco dinheiro”, que retrata todos os desafios de origem econômica e social oriundos do processo de envelhecimento que vive o povo gaúcho atualmente, está entre o seleto grupo de finalistas da premiação Citi Journalistic Excellence Award, na qual foram selecionados somente três brasileiros para a última etapa. Cadu Caldas faz parte da equipe de jornalistas do Zero Hora, de Eduardo Sirotsky Melzer, e concorre ao prêmio pela primeira vez.

O Citi Journalistic Excellence Award teve a sua primeira edição criada durante os anos 80, pelo Citigroup, e seu prêmio tem o objetivo de consagrar os melhores talentos do meio jornalístico em âmbito global. Esse prêmio é um dos mais importantes do jornalismo internacional, e já premiou reportagens de diferentes temas como Economia, Negócios e Finanças, de jornalistas de vários países diferentes.

Na edição desse ano, foram mais de 100 reportagens elaboradas por jornalistas do Brasil inscritas na premiação. A partir desse número, a comissão responsável por julgar os concorrentes do Brasil, que é composta por professores da área e jornalistas de renome no país, é quem selecionou os finalistas, entre eles Cadu Caldas.

Os vencedores da premiação de cada país serão convidados para participar de um encontro com duração de duas semanas a ser realizado na Columbia University, reconhecida entre as faculdades de jornalismo mais renomadas do mundo. Nesse evento, eles poderão trocar experiências entre si e ainda participar de palestras com nomes ilustres do mercado financeiro norte-americano.

Essa indicação para o prêmio Citi Journalistic Excellence Award é fruto das políticas institucionais implantadas pelo presidente do Grupo RBS, Eduardo Sirotsky Melzer, que desde o ano de 2012, ao assumir o cargo de liderança da empresa, decidiu investir continuamente na modernização do jornal Zero Hora, principalmente no sentido de levar aos leitores conteúdos de alta qualidade e formar uma equipe de profissionais talentosos e muito capacitados.

Eduardo Sirotsky Melzer se formou em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), e é a terceira geração a assumir o controle da empresa, que foi fundada pelo seu avô na década de 50.

No início de sua carreira, o executivo realizou vários cursos de especialização nessa área, incluindo um MBA na Universidade de Harvard e teve alguns anos de experiência trabalhando em empresas dos Estados Unidos. Nos dias de hoje, Eduardo Sirotsky Melzer ainda acumula a função de conselheiro da Fundação Iberê Camargo e da Bienal do Mercosul. No ano de 2015, ele recebeu a honra de ser selecionado para integrar o Cambridge Institute for Family Enterprise, do qual fazem parte com exclusividade empresários de sucesso no ramo dos negócios familiares.

Toda essa experiência tem feito com que Eduardo Sirotsky Melzer desenvolva um trabalho elogiado na presidência do Grupo RBS, especialmente pelos investimentos nas mídias digitais das empresas que fazem parte do conglomerado, pois estas são consideradas pelo executivo como o método de comunicação do futuro. Como resultado, o empresário tem acumulado vários prêmios e sido convidado para ministrar palestras em eventos corporativos e universitários.

 

 

Marketing para ajudar a superar a crise

Image result for Marketing para ajudar a superar a crise

Com a crise política acentuada no país e mudanças e projetos governamentais para o meio corporativo mudando a todo momento, o empreendedor de micro, pequeno e médio negócio tem ficado cada vez mais receoso em investir e buscar credito para alimentar ou tentar alavancar seus negócios ou simplesmente estão deixando de abrir suas empresas com medo do investimento ou como investir nessa época.

Uma forma de empreendedores investirem de um jeito direto e focado em seus negócios de uma maneira segura hoje em dia é através do marketing em suas diversas variantes, do tradicional ao digital.

Marketing tradicional e digital

A maior parte das empresas do País são pequenas ou médias, no entanto poucas utilizam do marketing, principalmente digital para atingir seu público, não sabendo das vantagens dessa ferramenta, ainda mais no meio digital.

Veja agora algumas características de como aproximar seu negócio dos clientes utilizando pontos tanto do marketing tradicional como o do digital.

 

Tradicional:

  • Defina o público-alvo (ou segmento de mercado) primordial para o negócio;
  • Defina uma identidade para que os clientes se identifiquem com a marca;
  • Mantenha um bom canal de atendimento em todo o processo de compra do cliente (pré, durante e pós compra);

 

Digital:

  • Esteja nas mesmas redes sociais que o público-alvo;

O marketing digital prevê um contato mais próximo e uma forma de comunicação mais próxima com o cliente, conhecer e ter contato com eles pelas redes sociais preferidas é uma boa forma de criar esse relacionamento.

  • Tenha uma página oficial no facebook para a empresa;

O Facebook é uma das mais utilizadas no mundo e a mais forte no Brasil, muitas empresas têm utilizado essa rede para ter contato, mostrar seus produtos e fazer uma propaganda mais light e focada através dele.

  • Mantenha site e blog focado;

Site e blog são ferramentas cruciais no marketing digital, então é importante que sejam responsivos e atendam a qualquer plataforma utilizada pelo público, seja através de smartphones ou computadores. O conteúdo desse ser focado no nicho de mercado que a empresa atua.

Estas são apenas algumas formas básicas de utilização do marketing que podem ajudar o empreendedor a entender a sua forma e utilização.

O marketing digital em principal, tem tomado a dianteira como ferramenta de relacionamento entre empresa-cliente, demonstrando muito lucro e resultado a vários dos seus utilizadores.

 

De professora concursada a empresária de franquia de torterias com faturamento de R$ 3,5 mi

Da estabilidade do setor público para os riscos de empreender um sonho

Enquanto muitos procuram os concursos públicos em busca da tão sonhada “estabilidade financeira”, outros estão atrás do sonho de empreendimento próprio. Porém, não são muitas as vezes em que vemos alguém deixar a certa tranquilidade do primeiro caminho para os riscos do segundo, como Valéria Verdi de Macedo, de 49 anos.

É que já fazem 27 anos desde que ela deixou o seu emprego de professora concursada numa escola municipal de São José dos Campos (SP), para dedica-se a um hobby seu desde a infância e fazer dele um negócio lucrativo.

Valéria resolveu cozinhar, mais precisamente, as receitas da família não só de tortas doces, como também de tortas salgadas, em uma edícula, com freezers e batedeiras que tomou emprestado.

A ideia que antes parecia arriscada, só no ano passado, pôde lhe render R$ 3,5 milhões, devido às quatro unidades da Torteria Haguanaboka, de que é dona e fundadora.

O surgimento da marca, desenvolvimento e desafios

Ao explicar a decisão, ela ainda salienta que até gostava da sua antiga profissão, mas que não lhe apetecia exercê-la por toda a vida, tendo resolvido deixá-la, após três anos no ensino infantil, quando pegou uma turma “terrível”.

Também explica de onde surgiu esse nome original para o negócio de vender produtos cujas as receitas, de tipo “caseiro”, não levam nem corantes, nem aditivos químicos e nem conservantes. Segundo ela, o nome foi uma sugestão de um sobrinho seu, que, na época, tinha apenas sete anos.

E na Torteria Haguanaboka, ela afirma que tem um cardápio diversificado, oferecendo, por exemplo, uma linha de produtos voltados não só ao vegetarianismo, como também receitas dietéticas, além das sem glúten e das sem lactose.

Valendo lembrar ainda que tanto os bolos quanto as tortas são vendidos ou inteiros ou em fatias, e, costumeiramente, por quilo. Sem contar que o grande desafio dessa torteria, após tornar-se franquia, é a logística de distribuição. Como os produtos não contém conservantes, é então preciso transportá-los entre as lojas, que podem tornar-se cada vez mais distantes uma da outra, sem que com isso estraguem.

O surgimento da franquia como única saída possível para crescer mais

Ainda que já tivesse a sua torteria há vários anos, só apenas no ano passado, 2016, que ela enfim virou essa franquia que é hoje, com quatro unidades, sendo que a meta é de chegar a oito unidades, até o final deste ano.

Essa demora se deu porque a empresária preferiu, por todo esse tempo, administrar sozinha suas duas lojas próprias, negando-se a expandir a rede por ser controladora e preferir gerir tudo de perto.

Assim, tudo só mudou após ela ter feito um curso de gestão empresarial, quando então voltou a considerar a possibilidade, fazendo assim uma sociedade com Alexandre Thibes, um amigo seu, que lhe auxiliou na questão das franquias.

Foi então que, após a tentativa de manter quatro lojas próprias e ter fechado duas delas, e de ter investido um total de R$ 400 mil em uma cozinha central, para preparar e enviar os produtos já prontos e resfriados para as unidades, ela consolidou a franquia. Franquia essa que, hoje, requer um investimento inicial de ao menos R$ 350 mil, mas que prevê um faturamento médio mensal de R$ 105 mil, sendo de 10% a 15% de lucro médio mensal, mais precisamente, de R$ 10,5 mil a R$ 15,7 mil, assim trazendo o retorno do investimento entre 24 e 30 meses.

 

Como criar uma marca forte e original para o seu novo negócio

Da concepção da ideia até a concretização de um novo negócio na prática, todo empreendedor passa por uma extensa jornada. Ao longo desse caminho ele invariavelmente irá se deparar com uma importante tarefa: criar o nome e a identidade visual da empresa. Ou seja, a sua marca.

Sendo a marca uma das principais formas de identificação do público com a empresa, ela deve ser desenvolvida de forma estratégica e cuidadosa. Confira algumas dicas para acertar nesse processo e começar a empreender com o pé direito.

Hora do batizado

Mais do que um termo que agrade os fundadores da empresa, é preciso escolher um nome original e que gere conexão com o público para a qual a mesma está sendo concebida.

Algumas perguntas a se fazer nessa etapa são: o nome representa o que eu vou oferecer? A pronúncia do nome é fácil para o mercado que eu quero atingir? É um nome memorável, simples de lembrar?

Por fim, confirme se o nome desejado está disponível no INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) e se há um domínio disponível na internet para esse nome.

Investimento na arte

De nada adianta conceber um nome perfeito para a marca e pecar na sua transformação em elementos visuais. Se a primeira impressão é a que fica, vale a pena caprichar nessa etapa.

Confie a criação do logotipo da empresa a um profissional qualificado, que saberá ouvir o que você tem a dizer sobre o negócio e traduzir essas informações em elementos gráficos autênticos e harmoniosos.

Manual de identidade visual

Agora que o nome e a identidade visual estão prontos, não esqueça de desenvolver um guia de identidade visual. Esse documento trará todas as diretrizes do que pode ou não ser feito com a marca, pois a sua modificação indiscriminada poderá enfraquecê-la e prejudicar a credibilidade da empresa como um todo.

Mantendo a coerência

Se uma empresa é voltada a um público mais conservador e corporativo, por exemplo, mas a marca criada é despojada e moderna, o posicionamento do novo negócio não ficará claro para o mercado, e a consequência aparecerá na falta de resultados.

Todos os elementos da marca deverão comunicar a essência da organização, seus valores e missão, além de representarem a solução oferecida pela mesma.

Revisar é preciso

Ainda que uma marca precise ser duradoura, isso não significa que ela não deva ser revisada ao longo dos anos. Alguns logotipos acabam ficando muito datados a medida que o tempo passa, ou há casos em que a empresa passa por significativas mudanças internas que fazem a marca ficar incoerente com a nova formatação do negócio.

No entanto, ao fazer qualquer alteração na marca, lembre-se de que toda mudança deve ser sutil, respeitar os alicerces da marca e ser bem comunicada ao mercado.

 

Cuidados com o plano de negócios

O plano de negócios é essencial para que uma empresa tenha bem definido qual o caminho que irá tomar e como irá fazer para que todos os recursos e investimentos empregados tragam o tão esperado lucro, por isso, é fundamental que o empreendedor saiba o que fazer e imprescindível que ele também saiba o que não fazer para obter os melhores resultados no ramo em que irá atuar.

Experiência

Para empreender é importante verificar se o responsável pela gestão do negócio possui uma experiência que demonstre sucesso no ramo a ser empreendido. Quais foram os exemplos que tiveram êxito na área que será investida? Essa pergunta é essencial para identificar qual o melhor perfil de profissional para empresa.

Subestimar a concorrência

Muitas vezes não é levado em consideração as empresas que atuam no mesmo ramo do negócio. Não se deve ignorar quais empresas têm atividades no mesmo ramo e qual o diferencial delas para que mantenham os seus clientes e também quais os erros que elas cometeram para perder seus clientes se for o caso. É preciso se inspirar nos bons exemplos para oferecer ao público-alvo o melhor produto ou serviço, da mesma forma deve-se atentar para os erros cometidos por outras empresas para evitar fazer o mesmo.

Falta de cautela

Quando um negócio está na fase de planejamento é muito comum que todo o plano realizado leve ao pensamento de que ele é infalível, mas é preciso tomar cuidado. Pode ser que alguns imprevistos tragam dificuldades para o sucesso do planejamento, é importante estar atento a essas situações. É importante averiguar quais os riscos para tomar as melhores decisões com cautela.

Falta de especialização

Para atuar em qualquer ramo é imprescindível ter o domínio sobre o que será fornecido. Não existe espaço para quem não procura entender com detalhes como funciona todo os processos essenciais para o funcionamento da empresa. A eficiência de um serviço ou produto estão ligadas ao entendimento de quem será responsável por administrar o negócio, porque assim entenderá quais os limites, os gastos e as vantagens daquela empresa de acordo com o ramo em que atua.

Falta de compromisso com cliente

Esse é um dos erros mais graves que podem ser cometidos por empreendedores. Não existe negócio sem os clientes, portanto, cumprir com todas as responsabilidades e promessas feitas ao cliente é essencial para garantir uma boa reputação da empresa, pois através dessa postura um bom marketing baseado no boca-a-boca fará a diferença para o empresário que deseja o almejado sucesso.

Falta de atualização

A empresa precisa acompanhar a dinâmica para estar no mesmo patamar que a evolução tecnológica. A falta de atualização pode gerar uma forma de exercer as atividades da empresa de um modo mais lento o que afetará a qualidade e a agilidade quando se trata de um produto ou serviço eficiente. É importante ficar atento nas possibilidades que a modernidade traz para facilitar os processos e o modo como opera o empreendimento, sempre tendo em vista quais os benefícios que podem chegar até o cliente.

O Copa Star oferece um novo conceito em serviços de saúde

Hospitais são instituições com função social bem definida. Em linhas gerais, ocupam-se da prevenção, do diagnóstico e do tratamento de doenças. Com esse tipo de destinação, não são, definitivamente, lugares pelos quais as pessoas se sintam atraídas. Ao contrário, hospitais são estruturas às quais recorremos apenas quando estamos em apuros ou, por solidariedade, quando parentes ou amigos internados precisam de nosso apoio.

Habitualmente, a organização física habitual dos hospitais reflete sua vocação técnica, com pouco espaço para inovações que permitam abordagens complementares, capazes de combinar a objetividade técnica com a subjetividade e a leveza de outras manifestações, como a arquitetura moderna, o design de interiores, a pintura e as artes plásticas, por exemplo.

Felizmente um novo conceito de hospitais vem sido desenhado, com ares de modernidade têm alcançado essas instituições de saúde. A sisudez habitual já cede espaço para linhas arquitetônicas mais arrojadas, com cores mais vivas, texturas variadas e até aromas exóticos.

No Brasil, essa tendência chegou por iniciativa da Rede D’Or São Luiz, que tem sido ousada na construção de hospitais em algumas cidades do país. O destaque fica na Rua Figueiredo Magalhães, em Copacabana, bairro tradicional do município do Rio de Janeiro. Trata-se do Copa Star, inaugurado em outubro de 2016 na capital carioca.

Fiel à proposta de inovar no que diz respeito a cuidados na área de saúde, o Copa Star surpreende a partir da fachada, construída com base no que há de mais recente em termos de edificação de hospitais. O método empregado combinou ótima ventilação, iluminação natural e privacidade absoluta. Além do mais, os materiais utilizados geraram menos área de rejunte entre as placas de revestimento, o que facilita a limpeza e, consequentemente, reduz riscos de contaminação e garante altos níveis de segurança durante as obras.

O Copa Star não abre mão de sua vocação primeira, que é levar saúde a seus pacientes. Entretanto, embora não esqueça desse chamado, a equipe do hospital tem posição firmada quanto à importância da complementaridade oferecida por abordagens que combinam o arranjo tradicional com elementos de outras áreas do conhecimento humano. É o caso, por exemplo, dos quadros emoldurados que ocupam boa parte das paredes do prédio e também das esculturas distribuídas pelos andares. Ainda que pareça estranho, a estratégia vai ao encontro da conclusão de estudos científicos que identificam os ambientes dos hospitais como determinantes para a cura de pessoas enfermas.

O Copa Star ainda vai além da forma. Seus profissionais são continuamente treinados em todas as áreas, desde a recepção até o acompanhamento pós alta, com ênfase, claro, em tudo que está diretamente relacionado à manutenção ou recuperação da saúde dos pacientes.

O serviço oferecido pelo Copa Star virou um novo conceito no atendimento à saúde. Por enquanto, está disponível para os cariocas, porém a rede responsável pela idealização do empreendimento, pretende abrir em breve novas unidades neste mesmo padrão em outras capitais do país.

Galinha Pintadinha é sucesso em vários setores

Imagem relacionada

O canal no YouTube brasileiro que mais atingiu visualizações até o momento é o da Galinha Pintadinha que alcançou o número de mais de 5 bilhões de visualizações. Em seu canal os assuntos dos vídeos são voltados para o público infantil. O número de inscritos não é o maior do Brasil com 6,4 milhões, mas ainda assim as visualizações são as maiores.

Para expandir o seu alcance o canal já criou versões estrangeiras dos seus vídeos de sucesso, entre as versões do canal estão: espanhola, inglesa, francesa, italiana e japonesa, mas não é apenas no mundo virtual que o sucesso foi atingido, existem licenciamentos que também atingiram grandes números. Entre seus diversos produtos estão: brinquedos, materiais escolares, pelúcias e até produtos de higiene pessoal, juntos todos eles chegaram na cifra de mais de 370 milhões de reais que demonstra que essa marca veio mesmo para ficar no cenário infantil.

O desenho animado lançou a série “Galinha Pintadinha Mini” que foi divulgada entre os estados do Rio de Janeiro e São Paulo. São várias as estratégias que estiveram sendo aplicadas para a divulgação. Cartazes em pontos de ônibus e panfletos fizeram parte da publicidade da série, assim também como comerciais que foram veiculados em canais da TV aberta até o fim do carnaval. O VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), meio de transporte utilizado no Rio de Janeiro também fez parte do plano de divulgação dessa série.

Quando um desenho animado se torna um sucesso como a galinha pintadinha se tornou, outros programas tendem a fazer menção de seu conteúdo. Foi isso o que ocorreu com a galinha pintadinha no programa da Globo “Tá No Ar”, o novo nome para o personagem no programa passou a ser a “galinha preta pintadinha” o que se tornou uma sátira cheia de bom humor, onde a “galinha preta pintadinha” foi retratada com uma globeleza por causa da proximidade de datas carnavalescas.

Quem vê hoje o êxito que esse desenho animado alcançou não imagina como começou esse projeto. Inicialmente a ideia do desenho não havia agradado os produtores de um canal de TV em São Paulo. Por não poder comparecer na reunião para exibir o vídeo, os produtores Juliano Prado e Marcos Luporini acabaram enviando o desenho através do YouTube. Após seis meses da publicação desse vídeo, a dupla de produtores percebeu que o desenho tinha mais de 500 mil acessos, o que demonstrou o potencial do projeto.

O primeiro DVD lançado do desenho animado em 2D teve como título “A Galinha Pintadinha e Sua Turma”, em seu conteúdo havia diversas canções infantis de domínio público como: “Escravos de Jó” e “A Barata.”. O segundo DVD teve o apoio da gravadora Som Livre, e o título escolhido foi “Galinha Pintadinha 2”. Apenas no primeiro mês o DVD conseguiu atingir mais de 100 mil cópias vendidas ganhando o prêmio de disco de platina duplo. Com esse sucesso o produto teve sua expansão em diversas formas de entretenimento como brinquedos, espetáculos lúdicos e musicais focados no público infantil.

Como alcançar o sucesso já no primeiro dia com seu negócio próprio

Entre os desafios e o ambiente assustador que um negócio próprio proporciona, a principal indicação é ter em mente quais as melhores maneiras de começar com segurança. Por isto, vale a pena seguir as dicas que separamos especialmente para quem atravessa este novo horizonte. Confira!

Como devo prosseguir no primeiro dia como empreendedor?

Entre tantas oportunidades e receios, você, finalmente, começou a tocar seu negócio próprio. Seja pela chance rara que surgiu de ser seu próprio patrão ou pela energia em transformar o país, o ambiente desafiador de um novo mundo surge e as dúvidas sobre o começo não são poucas.

Para encontrar o melhor caminho, vale a pensa visualizar a divisão de escolas que a literatura do empreendedorismo traz: o planejamento ou o aprendizado. A primeira traça cuidadosamente as possibilidades em praticar as variações rotineiras de acontecimentos nas empresas que estão nascendo. A segunda parte do princípio que é precisa errar e tentar novamente para que as melhores possibilidades surjam.

Mas afinal, qual o caminho certo para começar em sua nova empresa?

O plano de negócios é o mais difundido nos cursos relacionados ao empreendedorismo. Com o traço que vislumbra o crescimento, o desempenho e como a empresa precisará sobreviver, o planejamento comtempla caminhos sólidos e menos arriscados para quem deseja bons resultados a médio e longo prazo.

Entre as principais vantagens que o planejamento traz, está a organização de ideias do empreendedor, que mantém coerência e alinhamento no plano de negócios estabelecido.

Contudo, há autores, como Paul Brown, que contestam a eficácia da escola de planejamento como caminho crucial para empreender. Isto porque, ao fazer pesquisas para seu novo livro, Brown identificou que muitas empresas, na verdade, não seguiram à risca o seu próprio plano de negócios para chegar ao sucesso.

O autor percebeu então que os empreendedores haviam seguido uma teoria alternativa à escola do planejamento, chamada Effectuation, que se baseia em dois princípios: o do pássaro na mão, explicativo sobre o fato de os empreendedores começarem com o que tem, ao invés de procurarem o que falta. E o segundo que foca a adaptação do planejamento às atuais circunstâncias. Em comum a ambos, está a ideia de errar e aprender para que o caminho rumo ao sucesso seja trilhado.

Na dúvida, como começar?

A melhor solução para quem está com dúvidas, é arriscar um pouco das duas escolas de empreendedorismo. Na internet é possível encontrar diferentes modelos de planos de negócios que podem ser ótimos guias. Escolha o que melhor se adaptar à estrutura de sua empresa. Além disto, a metodologia do Canas do Business Model Generation (Osterwalder, 2011), pode ser uma solução especialmente eficaz.

Contudo, lembre-se: em um terreno desconhecido, faça testes e fique atento aos resultados. Não se prenda unicamente ao plano de negócios e dê voz às experiências. Certamente, elas dirão os melhores caminhos a você.