A jornada empreendedora no Brasil possui histórico de sucesso, mas exige informação e capacitação.

Empreender é a palavra da vez. E tem sido destaque nos últimos anos. Segundo uma pesquisa realizada pela GEM (Global Entrepreneurship Monitor), a taxa de empreendedorismo no Brasil chega à 38%, o que significa que em torno de 52 milhões de brasileiros possuem um negócio próprio no país. Estes são dados de março de 2019 e demonstram grande potencial dos brasileiros para alcançar sua dependência financeira.

Essa crescente vem se consolidando principalmente entre os jovens. Segundo informações do SEBRAE, brasileiros entre 25 e 34 anos representam um total de 30,5% da população empreendedora do país, que ou estão montando empresas ou já as tem com pelo menos três anos de atividade.

Em momentos de crise, o empreendedorismo se mostra como alternativa, ou até mesmo solução final para complementar a renda e até mesmo desbancar de vez em uma nova profissão. Iniciativas do SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) ajudam novatos no mundo dos negócios a se profissionalizarem através de cursos online gratuitos, orientações presenciais para a elaboração de planos de negócios, pesquisas de mercado e burocracia jurídica necessária para a abertura de empresas. O serviço é local e propõem uma consultoria direcionada à cidade do proponente/interessado, o que garante uma assistência especializada para cada necessidade. Sem contar na biblioteca digital disponibilizada no site oficial, com dicas de negócios de A à Z.

Outro fator importante para quem está em busca de um novo negócio, são as fontes de informação de empreendedorismo. Canais como a revista Pequenas Empresas, Grandes Negócios (https://revistapegn.globo.com/Empreendedorismo/) e Revista Exame (https://exame.abril.com.br/noticias-sobre/empreendedorismo/) trazem uma centena de milhares de conteúdos totalmente direcionados ao mercado empreendedor, que vão desde conteúdos para quem quer iniciar na carreira, até textos consultivos direcionados à administração e prospecção de novos negócios. O programa PEGN, da Rede Globo, exibido aos domingos, também se mostra como um excelente canal de difusão do mercado empreendedor, contribuindo com informação e notícia acerca de temas inerentes à atividade empreendedora.

Buscar informação e assessoria especializada são os dois primeiros passos para que busca empreender no Brasil. Tais ações minimizam as chances de erro, reduzem riscos e capacitam o profissional para uma jornada de sucesso.

José Auriemo Neto trouxe novos negócios para a JHSF

José Auriemo Neto sempre foi um promotor imobiliário. Ele tentou fazer coisas diferentes e sempre trabalhou para se certificar de que está fazendo as coisas da maneira certa. Ele desenvolveu muitas propriedades diferentes e algumas que ele conseguiu vender com alto lucro. Isso mostra o sucesso que ele viu e mostra as habilidades que ele tem em sua própria empresa. Ele queria ter certeza de que ele seria capaz de fazer coisas diferentes. Quando ingressou na JHSF, ele já havia vendido muitas propriedades diferentes por conta própria que havia desenvolvido. Isso facilitou as coisas para ele tentar coisas novas quando estava trabalhando com o JHSF e também deu a ele a chance de ajudar as pessoas com quem ele estava trabalhando nas diferentes áreas em que o JHSF se destacou.

Como José Auriemo Neto trabalha no ramo, ele sabe que existem diferentes oportunidades para pessoas de diferentes setores imobiliários. Por exemplo, José Auriemo Neto sabe que ele tem mais a ver com propriedades residenciais e de varejo do que com propriedades comerciais ou de grandes empresas. Com as propriedades residenciais e de varejo que ele desenvolve, ele precisa garantir que eles tenham os toques elegantes que a maioria das pessoas procura quando desejam comprar um apartamento ou prédio caro no qual possam colocar seus negócios e aprender mais sobre José.

Quando José Auriemo Neto sugeriu que a JHSF construísse um aeroporto, houve alguns problemas que surgiram com o assunto. Muitas pessoas estavam preocupadas que ele não soubesse o que estava fazendo e que o aeroporto privado seria um fracasso. Acabou sendo uma das melhores decisões que José Auriemo Neto tomou para a empresa e foi algo que preparou o terreno para mudanças na JHSF. Agora, quando a empresa está conversando com executivos de grandes empresas, eles podem levá-los a voar direto para a área, para que possam ter suas reuniões. O aeroporto foi projetado especificamente para os executivos se sentirem confortáveis ​​e no campo de lacrosse de José.

A JHSF possui um portfólio sem precedentes em termos de incorporações. City Garden Corporate Center, Park City Garden e Horto Bela Vista são alguns dos grandes nomes da lista. Imensuravelmente, o processo de gerenciamento é projetado para sustentar a renda dessas propriedades. Além disso, o JHSF tem um longo pipeline de projetos em seu livro.

Margem e marcação no comércio eletrônico

Ao administrar sua empresa, um empreendedor deve levar em consideração vários direitos e obrigações que acompanham as atividades comerciais. As obrigações óbvias incluem o conhecimento do setor, aspectos de marketing e princípios contábeis. Referindo-se ao último elemento mencionado, em particular no caso de uma loja online, o empresário deve saber quais são os conceitos de margem e marcação, que hoje são frequentemente confundidos como parte do comércio eletrônico. Apesar de alguma semelhança, esses termos não são os mesmos.

Margem = (preço de venda – preço de compra) / preço de venda – Para as necessidades de administrar uma loja online, a margem é calculada principalmente quando o empresário deseja saber quanto é seu lucro no contexto de todas as receitas. Esse indicador é importante porque mostra a quantidade de rentabilidade das vendas para produtos específicos. Dessa forma, você pode comparar os valores individuais dos produtos oferecidos na loja em termos de seus vários preços disponíveis para os consumidores.

Conforme enfatizado na introdução deste artigo, a margem não deve ser confundida com a marcação. O segundo termo define a diferença entre o preço de um bem e o custo de comprá-lo ou produzi-lo. Na prática, pode-se até dizer que esse é o valor pelo qual o preço do produto vendido é superior ao custo de sua compra ou produção. Além disso, na prática, o empresário que administra uma loja online usa um cálculo de margem para determinar o valor real das vendas.

Vantagens resultantes do conhecimento das diferenças – Um empresário que administra uma loja online deve, sem dúvida, conhecer os termos básicos relacionados às operações de negócios. Isso afeta tanto a lucratividade da empresa quanto a conscientização amplamente compreendida, permitindo que ela gerencie com eficiência a empresa no mercado de comércio eletrônico. As vantagens incluem, por exemplo, o desenvolvimento efetivo de contatos comerciais com outros empreendedores que operam no mesmo setor e como fornecedores de produtos individuais. É certo que, se o proprietário da empresa não souber a diferença entre a margem e a margem de lucro, o nível da imagem do especialista aos olhos da outra parte poderá diminuir no decorrer das negociações comerciais. A simples apresentação de seu conhecimento pode resultar na construção de uma confiança sólida que será recompensada no futuro.

O que vale lembrar ao adicionar conteúdo no Facebook?

Você não precisa convencer ninguém sobre a importância das atividades de marketing de conteúdo. Vale ressaltar, no entanto, que o trabalho sobre o texto não termina no momento de sua publicação. Chegar ao grupo certo de pessoas que estarão interessadas em nosso conteúdo às vezes é um desafio tão grande quanto preparar um texto valioso.

A mídia social nos ajudará, onde, graças ao grande número de usuários, podemos encontrar os corretos no mundo dos negócios. Existem várias opções disponíveis no Facebook que permitem alcançar pessoas mais específicas e apresentar seu conteúdo de uma maneira mais atraente. Confira o que você deve ter em mente adicionando conteúdo do Facebook.

O Facebook é um dos lugares com grande potencial para trazer tráfego valioso para o nosso blog. Ao criar conteúdo, é uma boa ideia ajudar os leitores em potencial a facilitar o acesso a você. É importante diferenciar-se habilmente do conteúdo concorrente e capturar a atenção do usuário.

Se você deseja promover o texto preparado usando os Anúncios do Facebook, considere usar o formato Canvas – este é um anúncio interativo exibido em dispositivos móveis, também conhecido como Material Instantâneo. Pode conter fotos, materiais de vídeo, carrossel de fotos, textos ou botões de CTA.

Editando links no Facebook – Vale a pena conferir em qual conteúdo seus leitores estão mais interessados. O título, a descrição e a foto da postagem geralmente são baixados pelo Facebook como padrão, com base nos metadados do texto. Nos campos apropriados, você completa informações sobre o que o Facebook deve exibir para seus leitores.

Conteúdo diferente para usuários diferentes – Ao criar uma postagem, você tem a opção de escolher pessoas específicas que verão a postagem no seu feed de notícias. Você pode esclarecer os interesses, sexo, idade e outras características do público. Se você administra uma página de fãs em dois idiomas ou o texto que você preparou está disponível apenas em inglês, por exemplo, você pode limitar o público por local ou idioma no momento da publicação. Definindo as configurações em sua página de fã, escolha a esquerda da opção que você selecionar e ponto Geral: Audiência mensagens de notícias e visibilidade.

Apple lança nos Estados Unidos o seu primeiro cartão de crédito

Desenvolvido em conjunto com a instituição bancária Goldman Sachs, a Apple lançou recentemente o Apple Card, o seu primeiro cartão de crédito. Através de dispositivos da marca como o iPhone e Apple Watch, os consumidores irão poder realizar suas compras pelos aplicativos Apple Pay e Apple Wallet, sem que seja necessário levar consigo o cartão físico.

Ao contrário dos principais modelos de cartões de crédito da atualidade, o Apple Card não possui um número e um código de verificação (CVV). Os dados pessoais de cada cartão permanecerão guardados no aplicativo Wallet, e por conta disso somente aqueles que possuem um Apple Watch ou um iPhone terão acesso a esse cartão de crédito.

Um dos benefícios do cartão da Apple é o fato do mesmo não cobrar nenhuma taxa mensal ou anual, e além disso, as pessoas que utilizarem o cartão juntamente com o Apple Pay poderão aproveitar um ótimo plano de vantagens. Para se ter uma ideia, os consumidores receberão de volta 2% de todos os gastos que fizerem com o cartão e pelo aplicativo, ou ainda 3% nas compras feitas na própria Apple e em algumas outras lojas afiliadas.

Por enquanto, o Apple Card está disponível de forma limitada, sendo preciso cumprir uma série de requisitos para solicitar o cartão, como por exemplo, ter mais de 18 anos, ser cidadão norte-americano ou residir de forma legal no país, ter um dispositivo da marca atualizado ao menos com o iOS 12 e ser assinante do iCloud. De acordo com notícias que circularam pela imprensa internacional, houveram casos de consumidores que mesmo cumprindo todos esses requisitos, ainda assim tiveram sua solicitação negada. Oficialmente, a Apple se pronunciou destacando que, como o único banco parceiro dessa empreitada é o Goldman Sachs, existe um número máximo de clientes que podem ser atendidos pelo Apple Card, ao menos por enquanto. No futuro, o objetivo da empresa é expandir esse novo recurso para os clientes de outros países, mas ainda assim, as restrições não devem ser muito simplificadas e é esperado que a empresa avalie no mínimo a renda mensal e a pontuação de crédito do indivíduo com as instituições bancárias de seu país.

Taxa de desemprego cai para 11,8% com elevação da população ocupada

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) revelou no dia 30 de agosto de 2019 os dados sobre o desemprego no país para o encerramento do trimestre no mês de julho. De acordo com os dados levantados pelo instituto, o desemprego atingiu a média de 11,8% no encerramento do trimestre encerrado no mês de julho deste ano.

Segundo os analistas do IBGE, esse resultado apresenta uma queda para o indicador de 0,6 ponto percentual, quando comparado com os dados anteriores que eram de 12,5%. Já na comparação anual, o trimestre apresentou recuo de 0,5 ponto percentual neste ano, quando comparado com o mesmo período de 2018 onde foi observado uma taxa de desemprego de 12,3%.

Em relação ao número de pessoas desempregadas, o IBGE destacou que o Brasil tinha até o mês de julho, 12,6 milhões de pessoas em situação de desemprego. Esse número mostra uma queda considerável de 4,6% no total, o que significa que 609 mil pessoas saíram do desemprego no trimestre terminado em julho, quando comparado com o trimestre anterior. Na comparação com o ano passado, os dados recentes mostram pouca diferença entre os resultados: em 2018 eram 12,8 milhões de pessoas desempregadas, contra 12,6 milhões neste ano.

O levantamento realizado pelo IBGE faz parte da “Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios”, também chamada de Pnad Contínua. Para realização do levantamento, o IBGE considera dados da economia ao longo dos trimestres tradicionais, e períodos móveis.

Os dados ainda destacaram que a população ocupada do país apresentou crescimento tanto na comparação com o trimestre anterior quanto na comparação anual. Neste último trimestre, a população ocupada do país chegou a 93,6 milhões, com a adição de mais de 1,219 milhão de pessoas na comparação com o trimestre anterior (crescimento de 1,3%). Já os dados da comparação anual mostraram a adição de mais de 2,218 milhões de pessoas na população ocupada (crescimento de 2,4%).

“O número elevado de pessoas que entraram para a população ocupada assim como o número menor de pessoas desocupadas, fizeram com que a taxa de desemprego recuasse nesse último trimestre”, informou Cimar Azeredo, que é gerente da pesquisa do IBGE.